A Rainha do drapeado

Antes da “Wikipédia” de Grés (nome ao contrário de seu marido Serg), tenho que declarar que esses drapeados e plissados são o sonho de consumo de qualquer estudante de moda, as perfeições da modelagem são incríveis! Não consegui uma boa resolução ao postar as imagens, mas aqui você irá concordar comigo com relação à perfeição. Digno de qualquer Red Carpet da atualidade.

Engraçado como nesse mundo de fogos de artifícios, como é o tal mundo da moda, se fala tão pouco de pessoas que são verdadeiras referencias. Por que se fala em Anna Wintour e não se fala em Diana Vreeland? Por que se fala na tendência da saia plissada, mas não fala da rainha em plissados? Vai entender.

Germaine Émilie Krebs (1903-1993), Alix Barton e mais tarde Madame Grés foi uma das maiores estilistas do século 20, com uma carreira de mais de 50 anos. Nascida em 1903, Grés tinha o sonho de ser escultora, disse que trabalhar com tecido era o mesmo que trabalhar com pedra.

Famosa por suas requintadas criações (drapeados/plissados) muitos deles influenciados por esculturas gregas. Madame Grés, abriu sua casa de alta costura em 1942 e trabalhou com a dedicação de um monge até 1988, sempre refinando e aperfeiçoando seu ofício.

O mito de elegância, sempre vestida com um turbante de seda e uma tesoura pendurada no pescoço, odiava aparecer em público, e por isso não existem muitas fotos da mesma, mas sim de suas criações. Estas sim ela queria ver brilhar, impressionar e fazer todo o mundo conhecer.

Jersey de seda era o tecido ideal para a criação de suas obras-primas. Jackie Onassis, Greta Garbo, Grace Kelly, Marlene Dietrich e a duquesa de Windsor foram clientes leais e muitos dos designers de hoje são altamente influenciados por Grés incluindo Azzedine Alaia, Issey Miyake, e Yves St. Laurent.

Pierre Bergé afirmou que Madame Grés é uma das razões pelas quais entramos na moda “.

A Exposição no Musée Bourdelle, a antiga casa e estúdio do escultor Antoine Bourdelle, em Paris tornou-se desde março de 2011 o cenário ideal para exibir cerca de 80 modelos da sra. Grés, a escultora de tecidos. As criações de Madame Grès se harmonizam perfeitamente com as esculturas de Bourdelle. Essas 80 peças vem do Museu Galliera e de coleções privadas, a exposição também conta com mais de 50 fotos de Richard Avedon e Guy Bourdin e uma grande série de “croquis”.  Esse é o tipo de exposição que lamentamos por não ver.

 

 

Madame Grès – La couture à l’œuvre por paris_musees

 

 

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Deixe um comentário